terça-feira, 27 de outubro de 2009

(13) Preparando-se para a Caçada (Parte II)

terça-feira, 27 de outubro de 2009
Cuidadosamente os dois saíram do sótão e fecharam o alçapão secreto. Caminharam até o lance de escadas que dava para o interior da igreja e desceram lentamente evitando fazer barulho. Chantal, que ia à frente, parou na porta do grande salão, observou se havia movimento e, depois, fez sinal para que a jovem o seguisse. Passaram rapidamente pelo salão principal da Catedral que, como sempre, às duas da madrugada, costumava estar vazio.

- Rápido! – Disse ele baixinho.- Não será bom se descobrirem nosso esconderijo.

Abriu a grande porta de carvalho, deixando entrar o ar gelado da madrugada. Por alguns instantes Aimée congelou. Para ela, pareciam ter se passado anos desde a última vez em que pôde sentir o vento lhe acariciar a face. Fechou os olhos e, num longo suspiro, deliciou-se com o momento e, logo, correu para alcançar Chantal.

- Para onde vamos?

- Para uma taverna, do outro lado da cidade, onde possamos passar despercebidos.

Enquanto caminhavam, Aimée analisava a velha arquitetura da cidade e sentia arrepios. A jovem jamais tinha reparado quão sombria eram as noites de Bordeaux. E, percebendo isso, não pôde deixar de pensar que não estaria naquela situação se o tivesse notado antes. Tudo parecia gelado, escuro. Cada sombra, cada árvore promoviam o terror, como se gritassem à procura de medo.

- Antes de chegarmos, quero que saiba que pode haver outros lá. – Interrompe os pensamentos da moça - Caso não estejamos sozinhos, irei lhe avisar e peço que tome muito cuidado. Nem todos são amigáveis como eu.

- Há outros vampiros na cidade?

- Sempre há outros. Somos em número muito maior do que os humanos estimam e pior, ao contrário de nós, alguns fazem questão de alimentar os mitos que nos envolvem. Você, assim como eu, segue o principio da Camarilha.

- O que isso significa? – Interrompe.

- Significa que não matamos humanos a não ser que seja estritamente necessário: caso nossa vida corra perigo ou de precisarmos nos alimentar. Além disso, nos esforçamos ao máximo para que a máscara seja mantida.

- Máscara?

- As pessoas não sabem que somos vampiros. Tentamos esconder isso, fazendo o menor número de trapalhadas possível. Mas como tudo no mundo, somos afetados por uma seita inimiga. Os integrantes do Sabá desprezam a fraqueza humana e são conhecidos por seus grandes extermínios e falta de piedade. As lendas que os humanos passam adiante são baseadas neles.

- E o que faremos se encontramos “algum Sabá”?

- Vamos torcer para que não nos vejam e, já que dificilmente andam em pequeno número, faremos uma saída estratégica. – Esboça um sorriso leve na tentativa de aliviar a tensão e prossegue. – Mas pode ficar tranqüila. O Sabá não sabe ser discreto. Se estivessem na já cidade saberíamos.

- Tudo bem.

Preocupada, Aimée toma o braço de Chantal e prossegue a caminhada. O homem deixa afinal, um casal andando pelas ruas durante a madrugada não é digno de muita suspeita e a atitude da jovem aprimora o disfarce.

(continua...)

15 comentários:

Fabricio bezerra da guia disse...

tô doido pra que esta hiostória acabe...Não não é por que ela é ruim ,mas é por que tô curioso

Blog Ten disse...

Coloca logo a outra parte!

Rui disse...

Fez bem em colocar em formato de blog. Também seria interessante ter um livro, sei lá...
A história parecer ser bem interessante, pelo menos esta postagem é.
Cheguei a jogar rpg algumas vezes.

Rui disse...

nossa
1.000 visitas em 9 dias :)
parabéns

Praxedes de Oliveira. disse...

Parece bom, o texto flui muito bem. Como gosto desse tipo de literatura, lerei desde o primeiro post.



http://umphodido.blogspot.com/

Maikon disse...

eu eim =Daehaeuhaeuheauha

Tolerância Zero disse...

muito foda.... vou lá no inicio pra ler desde o inicio da história... ce ta que ta..

Benhur disse...

Bem legal, fazia tempo que eu não lia um bom conto vampírico.

Blogueira disse...

estou curiosa pra continuação da história...

cachorrosolitario disse...

Esse formato de blog é estranho para os leitores novos, porque a gente corre o risco de pegar spoilers quando vai lendo. rs

Talvez seja interessante colocar em pdf os capítulos anteriores, ou algo assim.

Vou acompanhar mesmo assim, gostei!

Abraço.

cachorrosolitario disse...

Olá!
Não seria mais interessante rever o formato de postagem? Porque assim como esta, para os novos leitores, da agonia de ficar lendo de tras pra frente, ou ainda se corre o risco de pegar alguns spoilers!

Uma sugestão é que , a cada capítulo, você pode disponibilizar em pdf pra gente ver em ordem ou baixar!

Vou acmpanhar a história.

Abraço!

Naya Rangel disse...

Nossa você escreve maravilhosamente bem! Tive que ler a primeira parte, e agora estou curiosa para ler o resto da estória!
Quando escrever a continuação, passa lá no blog para avisar!

Abraços!

SuélenCristina* disse...

Tem selinho pra ti no meu blog! :D www.sutismariposas.blogspot bjooos

Esther cyrraia disse...

ótimo conto, mas estou curiosa pelos próximos acontecimentos... ai ai ai!!!

::mônica:: disse...

*cachorrosolitario : eu não disponibilizo em pdf pq já organizo os posts com o número correspondente a parte da Estória =D Se vc olhar a lista do arquivo verá que não há como se perder!

*Su: Obrigada *-* jaja vou la recebê-lo e comentar!

Aos demais obrigada... O blog não existiria (lieralmente) sema presença de vcs! =)

bjos a todos!

Postar um comentário

Obrigada por deixar seu comentário!
Prometo que assim que tiver um tempinho responderei =D

 
Le Pivione - O blog livro © 2008. Design by Pocket
Creative Commons License
Le Pivione by Mônica M. do Amarante is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License
BlogBlogs.Com.Br