sexta-feira, 16 de outubro de 2009

(2) O começo do começo (Parte II) A face da morte.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009
À medida que seu rosto era desvendado pela fina luz derramada pelos postes, a jovem viu-se como se não fizesse mais parte daquele corpo. Como se sua alma estivesse desprendida e dançasse sobre sua cabeça. Tudo aquilo soava como um sonho, um pesadelo, uma sensação estranha e peculiar que jamais saberia descrever.

Foi então, que sentiu de leve uma pressão sobre sua mão. Virou-se de sobressalto, acordando daquela intensa ilusão para embarcar numa ainda maior. Aimée já não podia mais enxergar o ser que lhe atraíra a aquele momento fatal. A figura que lhe tocara a mão – a despertando daquele estado de transe - era ainda mais intrigante, envolvente e ainda mais bela. Neste momento, a jovem se entregara e, num instante, pode perceber, como sua vida, de forma alguma, poderia escapar daquele fim.

Agora, Aimée via seus irmãos. Uma imagem envelhecida que tinha o gosto mais nostálgico que já provara. Foi quando que de dentro da pobre cabana de pescadores surge ela: correndo com uma intensa alegria sem saber a face real do mundo que a esperava. Ingênua, doce, linda. Ela tinha cabelos castanhos escuros e olhos verdes como o mar que mostravam carregar cada alegria gerada nesse mundo. A jovem se reconheceu. Parecia que havia os deixado há séculos. Que sua viagem em busca de um algo mais, que ela já nem sabia mais o que era, havia lhe custado caro. Ainda não entendia porque nascera assim, porque tinha tanta sede de mudança, porque sua vida era tão cheia de interrogações.

A figura toca-lhe novamente a mão levando-a, neste momento, para a taverna em Bordeaux. Aimée vê sua querida amiga Cécile e, pela primeira vez sente vontade de chorar. Há anos Amiée dividia seu quarto, sua vida, suas lembranças e seus fantasmas com a amiga. Cécile era o ser humano mais próximo que tivera desde sua partida da pequena Quimper, a única forma de família que a jovem conhecera desde então.

Quanto Aimée sentiu que não podia mais, quando percebeu que sua vida se esvaia por entre seus dedos e que cada lembrança arrancava um pedaço de seu coração, viu quão errada estava no momento de se entregar. Percebendo isso, a figura deslumbrante volta, a envolve em um sutil véu de cores, flores e perfumes: a morte a tirava para dançar. E, mais uma vez, a jovem deixa de lutar. Levemente, como plumas, elas voltam ao corpo inerte de Aimée que ainda observava o misterioso ser. Agora ela percebera: aquele era o camarote de seu grand finale.

(continua ...)




3 comentários:

Mamãe Taty disse...

amigaaaaaaaaaaaaaaa que maravilhosa essa historia,não vou perder um pedacinho sequer estarei aqui todos os dias louca para saber como será a proxima gota.
Você está de parabéns !!!
Muitos beijos para vocês.

::mônica:: disse...

Brigada taty!! espero msmo te ver sempre por aqui =D
=**

Karolline disse...

Começo interessante ^^
Adoro histórias de vampiros. Seguindo a partir de hoje...

Abraços eternos...

Postar um comentário

Obrigada por deixar seu comentário!
Prometo que assim que tiver um tempinho responderei =D

 
Le Pivione - O blog livro © 2008. Design by Pocket
Creative Commons License
Le Pivione by Mônica M. do Amarante is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License
BlogBlogs.Com.Br